Jurados

Conheça o corpo de jurados do Prêmio Jabuti 2021.
 

Literatura

Conto

Foto: Divulgação

Amara Moira

Amara Moira é travesti, feminista, doutora em Teoria e Crítica Literária pela Unicamp (com tese sobre a indeterminação de sentido no “Ulysses”, de James Joyce) e autora dos livros “E se eu fosse puta” (hoo editora, 2016) e “Neca + 20 Poemetos Travessos” (O Sexo da Palavra, 2021).






Foto: Divulgação

Izabel Brandão

Izabel Brandão, professora titular de literatura da UFAL (aposentada), atua hoje voluntariamente no Programa de Pós-Graduação em Linguística e Letras. Pesquisadora do CNPq, tem pesquisado na interface literatura de autoria feminina-ecologia-interdisciplinaridade. Tem doutorado (University of Sheffield, Inglaterra) e pós-doutorado (UFMG) em Literatura de Língua Inglesa, especializando-se no escritor inglês D. H. Lawrence e na poeta caribenha Grace Nichols, respectivamente. Publicou, por várias editoras, livros e capítulos de crítica literária feminista no Brasil e no exterior. Coordenou e organizou (em col.) “Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas - 1970-2010”, indicado ao Jabuti em 2018. Em 2019, publicou “Literatura e ecologia: trilhando novos caminhos críticos” (em col.), pela Edufal, selecionado para a Bienal Internacional do Livro de Alagoas. De poesia, publicou: “Espiral de fogo” (1998), “Ilha de olhos e espelhos” (2004) pela Edufal; e “As horas da minha alegria” (Mulheres 2013). É mineira de Pedra Azul.






Foto: Divulgação

Rogério Pereira

Rogério Pereira nasceu em Galvão (SC), em 1973. É jornalista, editor e escritor. Em 2000, fundou em Curitiba o jornal Rascunho, atualmente na 259ª edição mensal. Coordena o projeto Paiol Literário, do qual já participaram cerca de 80 escritores. Entre as muitas curadorias realizadas, destacam-se: Bienal do Paraná (2010), Bienal do Amazonas (2012) e Bienal de Minas (2016). Foi curador do Prêmio São Paulo de Literatura em 2017 e 2018. Entre janeiro de 2011 e abril de 2019, foi diretor da Biblioteca Pública do Paraná, onde coordenou o Plano Estadual do Livro, Leitura e Literatura. É autor do romance “Na escuridão, amanhã” (Cosac Naify), finalista do prêmio São Paulo de Literatura, menção honrosa no Prêmio Casa de Las Américas (Cuba), e traduzido na Colômbia (Babel Libros). Tem contos publicados no Brasil, Alemanha, França, Finlândia, Peru e Equador.






Crônica

Foto: Divulgação

Claudia Tajes

Claudia Tajes é escritora e roteirista. Tem 11 livros publicados, entre eles “As Pernas de Úrsula”, “Vida Dura” e “Macha”. É colunista do jornal Zero Hora, de Porto Alegre, e da Coluna de Terça, de Lisboa. Sonha com um Jabuti para chamar de seu.






Foto: Divulgação

Mirna Queiroz

Mirna Queiroz é jornalista, editora, curadora e produtora cultural, com mestrado em Estudos Culturais pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, vive em Lisboa. É fundadora e diretora executiva da revista Pessoa (www.revistapessoa.com), publicação que tem levado a literatura de língua portuguesa contemporânea a vários países, como Portugal, Estados Unidos, França, Bélgica e Emirados Árabes Unidos.






Foto: Divulgação

Tobias Carvalho

Tobias Carvalho nasceu em Porto Alegre, em 1995. É mestrando em Escrita Criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e tem dois livros publicados: “As coisas” (Record, 2018) e “Visão noturna” (Todavia, 2021).






Histórias em Quadrinhos

Foto: Divulgação

Isa de Oliveira

Natural de Minas Gerais, Isa de Oliveira é poeta, escritora, artista, revisora, pesquisadora, resenhista, parecerista técnica e crítica. Autora do livro “Intermitências” (Crivo Editorial, 2019). Formada em Administração Pública (EG/FJP), segmento cultural no qual atua há mais de 15 anos, doutoranda em Estudos de Linguagens (CEFET-MG) - pesquisa em Edição: Processos Editoriais de Histórias em Quadrinhos; mestre em Estudos de Linguagens (CEFET-MG) - pesquisa sobre poesia digital; pós-graduada em Linguística (UGF), em Comunicação: imagens e culturas midiáticas (UFMG) e Gestão Cultural: Cultura, Mercado e Desenvolvimento (Senac). Publica conteúdos sobre livros, Histórias em Quadrinhos e Literatura em geral no Instagram, Facebook e Twitter @corujadasletras. É colunista do site LiteraturaBR. Já publicou resenhas e textos em várias revistas científicas e literárias além de sites como UniversoHQ, Voz da Literatura, Aboio, Portal Nova Contagem, entre outros.






Foto: Divulgação

Nobuyoshi (Nobu) Chinen

Publicitário e professor universitário. Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Ex-docente das disciplinas teóricas sobre Histórias em Quadrinhos do curso de Produção Editorial da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO-UFRJ). Pesquisador membro do Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP. Membro da Comissão Organizadora e da Comissão Julgadora do Prêmio HQMIX. Coorganizador das Jornadas Internacionais e das Cyberjornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, no âmbito da ECA-USP. Autor dos livros “Graphic Novel - Conceitos Básicos” (2020), “O Negro nos Quadrinhos do Brasil (2019); “Linguagem Mangá - Conceitos Básicos” (2013) e “Linguagem HQ - Conceitos Básicos” (2011).






Foto: Divulgação

Paulo Ramos

Paulo Ramos é jornalista e professor do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de São Paulo, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Quadrinhos (Grupesq). Integra o Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP e é um dos organizadores das Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos. É autor de vários livros, entre os quais “A Leitura dos Quadrinhos” (Contexto), “Faces do Humor – Uma Aproximação entre Piadas e Tiras” (Zarabatana Books), “Tiras no Ensino” (Parábola Editorial), “Revolução do Gibi – A Nova Cara dos Quadrinhos no Brasil” (Devir) e “Bienvenido – Um Passeio pelos Quadrinhos Argentinos” (Zarabatana Books). No momento, produz um livro-reportagem sobre casos de censura aos quadrinhos e ao humor gráfico no Brasil contemporâneo.






Infantil

Foto: Divulgação

Flávia Scherner

Fafá (ou Fafá Conta) – é assim que Flávia Scherner, atriz, contadora de histórias e especialista em Literatura Infantil e Juvenil e Contação de História é mais conhecida. Seu canal "Fafá Conta" no YouTube desenvolve, desde 2015, um trabalho cuidadoso de fomento da literatura infantil por meio da contação de histórias e da leitura dos mais variados livros. O canal foi finalista do prêmio Retratos da Leitura – do Instituto Pró-Livro – na categoria Mídia (2018 e 2019). Recentemente, Fafá lançou seu primeiro livro: “Dadó é ranzinza e tem sua própria nuvem cinza”, em parceria com Alexandre Rampazo, pela editora Ciranda Cultural.






Foto: Divulgação

Jéssica M. Andrade Tolentino

Jéssica M. Andrade Tolentino é mestra em Literatura, Mídia e Cultura Infantis pela Universidade de Glasgow, Reino Unido. É também mestra em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) e bacharel em Letras pela mesma instituição. Estudiosa dos livros para a infância, integra o grupo de pesquisa em Leitura Literária, Edição, Mediação e Ensino (LLEME/ CEFET-MG). É coorganizadora do livro “Literatura infantil e juvenil: campo, materialidade e produção” (Editoras Moinhos e Contafios) e autora de diversos artigos sobre o tema.






Foto: Divulgação

Julie Dorrico

Julie Dorrico pertence ao povo Macuxi. É doutora em Teoria da Literatura (PUCRS). Também é autora da obra “Eu sou macuxi e outras histórias” (Caos e Letras, 2019). Primeiro lugar no Concurso Tamoios/FNLIJ/UKA (2019). Publicou, em 2020, o conto “Nós, macuxi, somos viajantes” na coletânea de contos “Escritas femininas em primeira pessoa” (Oralituras); “Menina-moça” em “De repente adolescente” (Seguinte, 2021); “Quando me criaram gente” em “Geração 2010: o sertão é o mundo” (Reformatório, 2021). Nas mídias sociais, é administradora coletiva do perfil @leiamulheresindigenas e do canal no YouTube “Literatura Indígena Contemporânea” no qual entrevista autores indígenas buscando fortalecer o cenário literário étnico-racial. Em 2021, tornou-se a primeira indígena a ter uma coluna fixa na ECOA/UOL. Com subsídio do SESC, produziu a Web-Série “Leia Autoras Indígenas”, em que apresenta oito escritoras e duas oradoras indígenas no Brasil.






Juvenil

Foto: Divulgação

Carla Bettelli

Carla Bettelli é formada em Editoração pela ECA-USP e trabalhou nas editoras Ática e Scipione com obras de ficção e não ficção voltadas para leitores jovens. Desde 2015, presta serviços de tradução, edição e preparação de textos para diversas casas editoriais, com foco na produção para atendimento a editais como o PNLD Literário. No início de 2021, tornou-se sócia da Balão Editorial, comandando a linha de obras infantojuvenis. Já ministrou cursos da grade de MBA Book Publishing sobre edição de livros juvenis e atualmente dá aulas sobre produção editorial, em parceria com Guilherme Kroll, na LabPub. É também autora do livro infantil “O segredo do dedo”, ilustrado por Psonha e publicado pela Caminho Suave Edições.






Foto: Divulgação

Jim Anotsu

Jim Anotsu é autor de livros infantojuvenis, publicado em 13 países, tradutor, roteirista de cinema, TV e publicidade, considerado uma das referências da literatura jovem atual, conhecido pela sua abordagem pós-moderna, engraçada e cheia de referências literárias. É autor de “O Serviço de Entregas Monstruosas” (2021), “A Batalha do Acampamonstro” (2018) e de muitos outros livros e contos. Atualmente, escreve a nova adaptação cinematográfica de “O Sítio do Picapau Amarelo”, de Monteiro Lobato. Mora em Belo Horizonte.






Foto: Divulgação

Paula Renata Melo Moreira

Doutora em Estudos Literários pela UFMG. Docente e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (Linha de Edição, Linguagem e Tecnologia); do Bacharelado em Letras - Tecnologias da Edição e do Ensino Médio (CEFET-MG). Tem lecionado, entre outras, a disciplina de História da leitura e da formação do leitor. É uma das coordenadoras do Grupo de Pesquisa Mulheres na Edição. Recentemente, coorganizou o livro “Prezada Editora, - Mulheres no Mercado Editorial Brasileiro” (Coleção Pensar Edição, das editoras Moinhos e Contafios). Investiga as sociabilidades de leitura em rede, envolvendo literaturas juvenis e as diversas relações que estabelecem com o mercado editorial, desde a prospecção, publicação até as estratégias para alavancar leitura e consumo.






Poesia

Foto: Divulgação

André Luiz Pinto da Rocha

André Luiz Pinto da Rocha nasceu em 1975, no Rio. Doutor em Filosofia pela UERJ, leciona na FAETEC e SEEDUC/RJ. Como pesquisador, vem publicando artigos e capítulos nas áreas de Estética e Filosofia da Ciência. Dos livros de poemas, estão, entre outros: “Flor à margem” (1999), “Primeiro de abril” (2004), “Isto” (2005), “Ao léu” (2007), “Terno novo” (2012), “Nós, os dinossauros” (2016) e “Migalha” (2019). Nesse ano, uma parte de seus poemas foi publicada em “Balanço, poemas reunidos (1990-2020)”. Seus poemas serviram também de tema para o filme André Luiz Pinto, esse sou ele e Autobiografias poético-políticas, de 2019, por Alberto Pucheu.






Foto: Divulgação

Márcia Kambeba

Márcia Kambeba pertence ao povo Omágua/Kambeba do Amazonas. É mestre em Geografia, doutoranda em Letras, poeta, escritora, compositora, fotógrafa, cantora indígena, atriz, contadora de histórias, palestrante de assuntos indígenas e ambientais. Tem cinco livros publicados: “Ay Kakyri Tama”, “O lugar do Saber Ancestral”, “Saberes da Floresta”, “Kumiça Jenó: narrativas poéticas dos seres da floresta” e “A Escola dos Encantados”. Faz um trabalho literomusical apresentando a cultura indígena em canto, poesia e fotografias. Desenvolve palestras nas escolas e universidades e leva seu trabalho por todo Brasil e América Latina numa linguagem decolonial.






Foto: Divulgação

Martha Alkimin

Doutora em Letras pela PUC-Rio e professora de Teoria da Literária do Departamento de Ciência da Literatura da Faculdade de Letras da UFRJ e do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas/Poesia Brasileira da mesma instituição. Desenvolve o projeto de pesquisa “Poesia brasileira contemporânea: lugar e experiência (em) comum”, assim como tem se dedicado ao estudo da filosofia e da poética da paisagem. Recentemente, publicou os ensaios “A travessia pelo desvio” (2021), “Êxodo, desnatureza e outras paisagens” (2021) e “O anticrime da poesia” (2019). É coautora dos livros “Espaço e Literatura: inscrições da cultura na paisagem” (2012), “Almanaque Drummond: testemunho da experiência humana”, que integrou o Projeto Memória da Fundação Banco do Brasil (2011) e no mesmo ano “Portinari e a cultura brasileira”. ,






Romance de Entretenimento

Foto: Divulgação

Amanda Prado

Amanda Prado é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, atua como professora. Em seu tempo livre, fala sobre livros no canal do YouTube Raposisses. Seu atual foco é na divulgação de literatura especulativa que una boa qualidade com representatividade.






Foto: Divulgação

Diana Passy

Diana Passy é editora, curadora e consultora de marketing. Formada em Editoração pela USP, trabalhou para o Grupo Companhia das Letras por 11 anos, tendo atuado nas áreas de marketing, seleção de originais para publicação e captação de autores. É criadora da FLIPOP, o primeiro festival literário voltado para o público jovem do Brasil. Por este trabalho, ganhou o Prêmio Jovens Talentos Publishnews 2018. Em 2020, foi coordenadora de programação da 1ª Bienal Virtual do Livro de SP, que atraiu mais de 1 milhão de visualizações.






Foto: Divulgação

Tamy Ghannam

Tamy Ghannam é formada em Letras (Português e Francês) pela USP-FFLCH. É pesquisadora de narrativas brasileiras contemporâneas. Desde 2015, é responsável pelo LiteraTamy, plataforma multimídia de crítica literária independente que produz resenhas, mediações e entrevistas com autores, editores e outros profissionais da literatura. É curadora do Clube de Literatura Brasileira Contemporânea e administradora do perfil Biblioteca Lygiana, que reúne conteúdos referentes à literatura de Lygia Fagundes Telles. Integrou o júri do Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa, em 2020, e o júri do prêmio Mix Literário, no mesmo ano. Já colaborou com a revista Carta Capital e com o portal de jornalismo cultural A Escotilha.






Romance Literário

Foto: Divulgação

Jefferson Agostini Mello

Jefferson Agostini Mello é doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP) e professor associado da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP, autor de “Um poeta simbolista na República Velha: literatura e sociedade em Missal, de Cruz e Sousa” (EDUFSC, 2008) e “Literatura e crítica literária no Brasil hoje” (Edições Carolina, 2017).






Foto: Divulgação

Julián Fuks

Nascido em São Paulo em 1981, Julián Fuks é escritor e crítico literário. É autor de “A resistência”, romance ganhador dos prêmios Jabuti, Saramago, Oceanos e Anna Seghers, e também de “A ocupação”, “Procura do romance” e “Histórias de literatura e cegueira”, finalistas dos principais prêmios nacionais. É doutor em Teoria Literária pela USP, e autor do livro de crítica “Romance: história de uma ideia”, publicado pela Companhia das Letras, em 2021. Seus livros já foram traduzidos para dez línguas e publicados em diversos países.






Foto: Divulgação

Regina Dalcastagnè

Regina Dalcastagnè é professora de Literatura Brasileira da Universidade de Brasília e pesquisadora do CNPq. Coordena o Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea e edita a revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Publicou os livros “O prego e o rinoceronte: resistências na literatura brasileira” (Zouk, 2021), “Representación y resistencia en la literatura brasileña contemporânea” (Biblos, 2015), “Literatura brasileira contemporânea: um território contestado” (Editora da UERJ/Horizonte, 2012), entre vários outros. Também é autora de diversos artigos sobre o tema em periódicos acadêmicos, revistas e jornais.






Não Ficção

Artes

Foto: Divulgação

Laura Erber

Laura Erber é escritora, artista visual e editora. É pesquisadora visitante do Department of English, Germanic and Romance Studies, na Copenhagen University, e professora visitante da Universidade Católica Portuguesa. Em 2015, fundou a Zazie Edições, editora independente, voltada para a divulgação de textos teórico-críticos em sistema de open access. Autora de “Ghérasim Luca” (EdUERJ, 2012) e “O Artista Improdutivo” (Âyiné, 2021), publicou também diversos livros de poesia, entre eles, “Os corpos e os dias” (Editora de Cultura, 2008), “A Retornada” (Relicário, 2017), “Theadoro Theodor” (Quelônio, 2018), e o romance “Esquilos de Pavlov” (Alfaguara, 2013).






Foto: Divulgação

Silas Martí

Silas Martí é jornalista e crítico de arte. É editor de Cultura no jornal Folha de S. Paulo, responsável pelo caderno Ilustrada e pelo Guia Folha. Na mesma publicação, mantém a coluna Plástico, dedicada à cobertura de artes visuais, arquitetura e design. Foi também correspondente do jornal em Nova York. Formado em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e Crítica de Arte pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com especialização em História da Arte pela Università degli Studi di Genova, na Itália. Também se especializou na cobertura do mercado de arte contemporânea no Sotheby's Institute of Art, em Nova York, e venceu a bolsa Knight-Wallace de Jornalismo, na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. Fez seu mestrado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde hoje desenvolve seu doutorado.






Foto: Divulgação

Téo Senna

Téo Senna, arte-educador, artista visual, formado pela Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV) e pela Escola de Belas Artes (EBA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Suas contribuições para a produção artística brasileira não se restringem ao campo da arte/educação e, por todo o Brasil, tem ajudado a selecionar projetos de artes visuais. Assim, tem contribuído nos últimos anos para a cultura nacional através da seleção de projetos culturais por todo o país. Desde 2000, trabalha com a temática do graffiti. Já recebeu diversos prêmios e obteve reconhecimento internacional ao pintar o muro do Consulado Francês por duas vezes, em 2006 e 2010 (Bolsa Funarte de Estímulo às Artes Visuais), tendo o seu trabalho representado pela La Galerie Vaison la Romaine na França.






Biografia, Documentário e Reportagem

Foto: Divulgação

Claudio Blanc

Claudio Blanc é escritor, tradutor e editor, autor de diversos trabalhos nas áreas de História, Filosofia e Literatura, publicados em diferentes veículos. Dos seus mais de dez livros publicados, destacam-se “Uma Breve História do Sexo” (Global, 2010), que se tornou referência sobre o tema no Brasil, “Avantesmas” (Gutenberg, 2015), finalista do Prêmio Jabuti 2015 na categoria Adaptação, e “A História da Filosofia” (Camelot, 2020). Sua atuação como jornalista, cobrindo principalmente o problema ecológico que vivemos, resultou no livro “Aquecimento Global e Crise Ambiental” (Global 2012 e 2ª edição em 2019). Entre seus livros infantojuvenis estão “Histórias Sopradas no Tempo” e “De lenda em Lenda se Cruza Fronteiras”, indicado como Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Claudio Blanc também assina a tradução de 50 obras nos mesmos campos de conhecimento sobre os quais escreve, entre elas os best-sellers “Fumaça e Espelhos”, de Neil Gaiman (Via Letteris, 2002), e “O Relatório da CIA – como será o mundo em 2020?” (Ediouro, 2006), além de importantes livros de referência como “Iluminismo Radical”, de Jonathan Israel (Madras, 2009), e “Em Nome de Roma”, de Adrian Goldsworthy (Planeta, 2016).






Foto: Divulgação

Flávio Ilha

Flávio Ilha é jornalista, escritor e editor. Trabalhou como repórter em diversos veículos nacionais e locais, como O Globo, Folha de S. Paulo, Zero Hora, entre outros. Em 2016, fundou a editora Diadorim, onde atua como editor. Escreveu os livros de contos “Longe daqui, aqui mesmo” (2018) e “Ralé” (2019), finalista da categoria no Prêmio Açorianos de Literatura. Traduziu, em 2019, a novela “El Zambullidor”, do uruguaio Luis Do Santos, publicada no Brasil como “O mergulhador”, em 2020. Em 2021, após quatro anos de pesquisas, publicou “João aos pedaços”, biografia do escritor João Gilberto Noll (1946/2017). Nasceu em Porto Alegre, onde vive.






Foto: Divulgação

Luis Alberto Brandão

Luis Alberto Brandão é escritor, professor titular da UFMG e pesquisador do CNPq. Publicou “Teorias do espaço literário” (Perspectiva, finalista do Prêmio Jabuti), “Saber de pedra: o livro das estátuas” (Autêntica, vencedor da Bolsa Vitae de Artes), “Chuva de letras” (Scipione, finalista do Prêmio Jabuti, vencedor do Prêmio Nacional de Literatura João-de-Barro), “Manhã do Brasil” (Scipione, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura e do Prêmio Portugal Telecom), “Grafias da identidade: literatura contemporânea e imaginário nacional” (Lamparina, finalista do Prêmio Jabuti), “Um olho de vidro: a narrativa de Sérgio Sant’Anna” (Fale/UFMG, vencedor do Prêmio Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte), “Tablados: livro de livros” (7Letras) e “Canção de amor para João Gilberto Noll” (Relicário).






Ciências

Foto: Divulgação

Carlos Gonçalves

Carlos Gonçalves é professor da Universidade de São Paulo desde 2005, onde ensina História e Sociologia das Ciências, mas já foi também professor de matemática no ensino básico e atuou como instrutor de inglês em escola de língua. Como pesquisador, investiga os saberes da Antiguidade, especialmente na Mesopotâmia Antiga. Em 2015, publicou “The Mathematical Tablets from Tell Harmal”, pela editora Springer. É membro correspondente da Academia Internacional de História das Ciências, representante brasileiro na Comissão Internacional de História da Matemática, pesquisador associado estrangeiro do Laboratório de História e Filosofia das Ciências, SPHERE, em Paris, e coordenador do Laboratório do Antigo Oriente Próximo, sediado na USP.






Foto: Divulgação

Fátima L. S. Nunes

Bacharel em Ciência da Computação, com mestrado e doutorado em Ciência da Computação. É professora titular da Universidade de São Paulo, ocupando atualmente o cargo de diretora do Centro de Tecnologia da Informação de São Paulo, pertencente à Superintendência de Tecnologia da Informação. Orientou mais de 100 alunos em nível de graduação, especialização, mestrado e doutorado em Sistemas de Informação, Ciência da Computação e Engenharia da Computação. Suas principais áreas de pesquisa são realidade virtual, processamento de imagens e recuperação de imagens baseada em conteúdo. Ministra aulas nas áreas de processamento gráfico, bancos de dados, metodologia científica, redação científica e inovação. Grande parte de suas pesquisas está relacionada à solução de problemas reais na área da Saúde, envolvendo técnicas computacionais para auxiliar no diagnóstico, promover a reabilitação e melhorar a qualidade de vida. Também tem se dedicado ao desenvolvimento de projetos relacionados a dados abertos de pesquisa, difundindo o conceito de ciência aberta. Publicou diversos artigos em periódicos de alto impacto e conferências relevantes em suas áreas de atuação, além de livros e capítulos de livros.






Foto: Divulgação

Paulo Cezar Santos Ventura

Paulo Cezar Santos Ventura é graduado em Física pela UFMG, mestre em Física Aplicada pela USP/São Carlos e doutor em Ciências da Comunicação e Informação pela Université de Bourgogne, em Dijon, na França, tendo sustentado uma tese no domínio da Divulgação Científica. Professor aposentado do CEFETMG, atuou em cursos de Engenharia, Formação de Professores, e nos mestrados de Educação Tecnológica e Estudos de Linguagem. Coordenou vários projetos de Divulgação Científica e mais de 500 projetos de inovação tecnológica de alunos de Engenharia. Hoje, atua como escritor de poesias, crônicas e livros infantojuvenis, editando os próprios livros, e publica artigos de Divulgação Científica em jornais e blogues. É membro da Academia Novalimense de Letras, da cidade de Nova Lima/MG, onde reside.






Ciências Humanas

Foto: Divulgação

Érica Peçanha

Érica Peçanha é doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo, com pós-doutoramento na mesma instituição. Autora do livro “Vozes marginais na literatura”, coautora de “Polifonias marginais” e organizadora de “Narrativas periféricas: entre pontes, conexões e saberes plurais”. Pesquisadora do Instituto de Estudos Avançados da USP e do nPeriferias - Grupo de Pesquisa das Periferias (IEA-USP). Atua nas áreas de Antropologia Urbana, pesquisa social e Ciências Humanas e Saúde com foco nas discussões sobre periferia, cultura e juventude.






Foto: Divulgação

Paulo Cesar Endo

É psicanalista, pesquisador e professor livre-docente do Programa de Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades e do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. É coordenador do Grupo de Pesquisa em Direitos Humanos, Democracia e Memória do Instituto de Estudos Avançados da USP. É membro associado da Memory Studies Association (MSA), da Memory Studies Association Latin America (MSA/LA) e pesquisador da Unit Research on Dreams, Memories and Imagination Studies da Universidade de Gdansk (Polônia). Atualmente, é consultor dos Territórios Clínicos de la Memoria (TeCMe/Argentina). Foi agraciado com o prêmio Jabuti, em 2006, com a obra “A Violência no Coração da Cidade: Um Estudo Psicanalítico” (FAPESP/ESCUTA). Tem mais de uma centena de publicações dentro e fora do Brasil sob a forma de capítulos de livros e artigos científicos.






Foto: Divulgação

Rildo Cosson

Rildo Cosson é doutor em Letras e Educação. Foi professor da Universidade Federal do Acre, Universidade Federal de Pelotas e Universidade Federal de Minas Gerais, atuando na graduação e pós-graduação em Letras e Educação. É autor dos livros “Paradigmas do ensino da literatura” (2020); “Letramento político” (2019), “Círculos de Leitura e Letramento Literário” (2014), “Escolas do Legislativo, Escolas de Democracia” (2008), “Fronteiras Contaminadas” (2007), “Letramento literário” (2006), “O livro e o gênero” (2002), “Romance-Reportagem” (2001). Atualmente, é pesquisador do Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita da Faculdade de Educação da UFMG, professor visitante do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba e literator em escolas e eventos acadêmicos.






Ciências Sociais

Foto: Divulgação

Dennis de Oliveira

Professor livre-docente em Jornalismo, Informação e Sociedade pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de S. Paulo. Docente da graduação em Jornalismo da USP. É coordenador do CELACC (Centro de Estudos Latino-Americanos de Cultura e Comunicação) e pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. Professor do Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política da EACH/USP e do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da USP. Coordenador do Grupo de Trabalho Epistemologias Decoloniais, Territorialidades e Cultura do CLACSO (Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais). Autor dos livros "Jornalismo e emancipação: uma prática jornalística baseada em Paulo Freire" (Editora Appris, 2017) e "Racismo estrutural: uma perspectiva histórico-crítica" (Editora Dandara, 2021). Membro da Rede Antirracista Quilombação. Site pessoal: http://dennisoliveira.info






Foto: Divulgação

Juliana Marques

Juliana Marques é doutora em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), com graduação em Ciências Sociais e mestrado em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Durante o doutorado, foi visitante no Departamento de Ciência Política da Universidade de Zurique, na Suíça. Entre 2010 e 2014, integrou o Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Desigualdade (NIED). Atualmente, é coordenadora de Pesquisa na Escola de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV CPDOC) e integra o Centro para o Estudo da Riqueza e da Estratificação Social (CERES). Seus interesses de pesquisa cobrem políticas sociais, relações entre elites e o Estado, Humanidades Digitais e métodos computacionais de pesquisa.






Foto: Divulgação

Vilma Aguiar

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Graduada em Ciências Sociais e mestre em Filosofia, ambos pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV- RJ). Atua como professora e gestora na educação superior, desde 1998. Foi diretora de graduação na UNINTER e diretora de EAD na OPET/PR. É fundadora da Escola da Política, idealizadora do site Pandêmicas, produz e apresenta o podcast Mulheres Públicas, projetos que tratam da ampliação da participação das mulheres no espaço público. Publicou “O mercado dos diplomas: a educação superior de massa (1995-2010)” e “Democracia e despotismo em Tocqueville”. Escreve artigos sobre política e feminismo e faz pesquisa sobre políticas públicas.






Economia Criativa

Foto: Divulgação

Ana Fontes

Empreendedora social, fundadora da RME (Rede Mulher Empreendedora) e Instituto RME, empreendedora do ano IstoÉ Dinheiro. Delegada líder BR W20/G20, eleita uma das 20 mais poderosas do Brasil pela Forbes BR 2019/Top Voices Linkedin 2020.






Foto: Divulgação

Eduardo Ariel de Souza Teixeira

Possui graduação em Comunicação pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (1999), pós-graduado em Design de Interface pela Unicarioca (2002), mestrado em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2004) e doutorado em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2008). Pós-doutorado em Ciência da Informação pelo IBICT. É líder do projeto de recuperação de memória Teixeiras.art. Criou e administra o site Interfaces sobre Educação, Arte, Design e Economia Criativa. Foi, na ESPM-RIO, diretor acadêmico, pesquisador e professor titular (40H). Na mesma IES também criou e lecionou no mestrado profissional em Gestão da Economia Criativa, foi membro do laboratório de pesquisa LAB 3i e liderou o observatório de experiência digital InterAção. Supervisionou o trabalho dos coordenadores de graduação e do mestrado, bem como o núcleo de pesquisa. Respondeu pelos núcleos acadêmicos. Desde 2012, pesquisa o conceito de Design de Interação e seus desdobramentos para as áreas do Design, da Comunicação e do Marketing. Além disso, tem congregado toda essa temática dentro do conceito de Marcas e Cidades Criativas. Tem experiência na área de Economia Criativa, Desenho Industrial e Comunicação.






Foto: Divulgação

Maria Helena Cunha

Gestora cultural, consultora, pesquisadora, professora, mestre em Educação (FAE/UFMG), especialista em Planejamento e Gestão Cultural (PUC/MG). Diretora da Inspire Gestão Cultural e coordena a EAD|Inspire e a Inspire Biblioteca Virtual. Foi coordenadora acadêmica do curso de pós-graduação em Gestão Cultural do Centro Universitário UNA. Foi coordenadora pedagógica do Programa Competências Criativas. Fez a coordenação de Planejamento do Programa de Soluções Estratégicas para as Artes Cênicas (SEBRAE-MG). Foi assessora da Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte/PBH (2019/20). Publicou os livros “Gestão Cultural: Profissão em Formação” (DUO Editorial, 2007) e “Planejamento Estratégico de Projetos e Programas Culturais” (Ed. SENAC, 2018). Doutoranda na Escola de Belas Artes/UFMG/Artes da Cena.






Produção Editorial

Capa

Foto: Divulgação

Alberto Mateus

Trinta anos de experiencia na criação de capas, projetos gráficos e editoriais para várias empresas e editoras do mercado. Diretor de arte e professor de Design Gráfico e Processo Criativo. Vencedor do prêmio ANER de Projeto Gráfico. Jurado por diversas vezes dos prêmios Jabuti e ABEU nas categorias Capa, Projeto Gráfico, Ilustração Infantil e Livros Universitários. Sócio-diretor de criação do Estúdio Crayon Editorial.






Foto: Divulgação

Cecilia Arbolave

Jornalista argentina, formada na Universidad Austral de Buenos Aires e pós-graduada pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário (SP). Mora há dez anos em São Paulo. É sócia na Lote 42, editora que se destaca por fazer edições ousadas, e fundadora dos espaços de publicações independentes Banca Tatuí e Sala Tatuí. Tem produzido, junto com João Varella, feiras gráficas e literárias como a Miolo(s) na Biblioteca Mário de Andrade, Tinta Fresca no Espaço Cultural Porto Seguro e Printa-feira no Sesc 24 de Maio. Vencedora do prêmio Jovens Talentos da Indústria do Livro (2018).






Foto: Divulgação

Nelson Provazi

Designer gráfico e artista visual formado pela Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP-SP), com passagem pela University of Victoria (UVic) em Vancouver, Canadá — onde se especializou em Artes Visuais e História da Arte. Trabalhou por anos como colaborador de jornais, revistas e livros, onde ganhou três prêmios Abril de Jornalismo na categoria Arte e Ilustração. Além de infografista e produtor de design thinking, hoje dirige a provazidesign, onde colabora como capista, ilustrador e desenvolvedor de projetos gráficos para os mercados editorial e publicitário.






Ilustração

Foto: Divulgação

Fabíola Farias

Fabíola Farias é graduada em Letras, mestre e doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais, com estágio pós-doutoral em Educação pela Universidade Federal do Oeste do Pará. É leitora-votante da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.






Foto: Divulgação

Luís Camargo

Luís Camargo nasceu em São Paulo, em 1954. É escritor, ilustrador e tradutor de livros para crianças. Durante 15 anos trabalhou como editor de livros para crianças e jovens. Publicou, entre outros, “Maneco Caneco Chapéu de Funil” (1980), “O cata-vento e o ventilador” (1986), Prêmio Jabuti, na categoria Ilustração, no mesmo ano; Ilustração do livro infantil (1995). Doutor em Teoria e História Literária, pela Unicamp (2006). Coautor dos livros “Monteiro Lobato, livro a livro, obra infantil” (2008) e “Monteiro Lobato, livro a livro, obra adulta” (2014). O primeiro recebeu o Prêmio Jabuti, na categoria Crítica Literária, além de Livro do Ano Não Ficção, em 2009. Participou do ciclo de conferências da Academia Brasileira de Letras, em 2018, com a palestra Cem anos de Urupês, de Monteiro Lobato.






Foto: Divulgação

Robinho Santana

Robinho Santana nasceu e cresceu em Diadema, São Paulo. Artista visual, pesquisador e músico experimental, tem formação acadêmica em Design e Fotografia. Seu trabalho dialoga com o dever compulsório de exprimir a sua relação com a vida e a cultura de seu povo. Em suas obras, além de se reconhecer, busca a representação plural e digna da mulher e do homem negros periféricos, tornando-os protagonistas em sua arte.






Projeto Gráfico

Foto: Divulgação

Elizabeth Romani

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2006), mestrado (2011) e doutorado (2016) em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. É professora adjunta do Departamento de Design da Universidade Federal do Rio Grande do Norte no bacharelado em Design, sendo responsável pelas componentes curriculares: Design editorial, Design de periódicos, Técnicas de Reprodução Gráfica e Design inclusivo. É professora do mestrado profissional em Design da UFRN e do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da UFRN. Coordena e participa de projetos de extensão que discutem o design e a promoção da inclusão por meio da inovação tecnológica e projetos de pesquisa que articulam conhecimentos do design e da educação em diferentes suportes.






Foto: Divulgação

Manoel Evangelista dos Santos Júnior (MANU)

MANU, 48 anos, é designer gráfico graduado em Desenho Industrial pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e MBA em Branding – Gestão de Marcas pelas Faculdades Integradas Rio Branco. Desde 1995, atua também como designer editorial, e nestes 26 anos de experiência criou dezenas de capas de livros, projetos gráficos editoriais e identidades visuais para inúmeras coleções. Há 13 anos lidera o estúdio OFÁ Design, cujo foco de atuação é o mercado editorial, no desenvolvimento de livros físicos nos segmentos de Negócios, Universitários, Jurídicos, entre outros. Também desenvolve OEDs (Objetos Educacionais Digitais), e Identidade de Marcas.






Foto: Divulgação

Marília de Araújo Barcellos

Professora associada do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria. Doutora em Letras pela PUC-Rio, Rio de Janeiro, com estágio na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris/França; mestre em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Na Universidade do Vale do Rio dos Sinos, atuou no curso de Formação de Escritores e Agentes Literários e foi idealizadora do curso de extensão Trajetória do Livro e da Edição. Pela UFSM, planejou o I° Encontro de Editoras Experimentais Acadêmicas. Foi coordenadora do Curso Produção Editorial, e, atualmente, coordena a Editora Experimental do Curso pE.com UFSM. Apresenta, em seu currículo, passagem pelo mercado editorial em importadora, editoras e distribuidoras de livros dos Estados do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Sul e de São Paulo. Leitora voraz, além de grande apreciadora de livros bem publicados.






Tradução

Foto: Divulgação

Andrei Cunha

Andrei Cunha é tradutor literário e professor de Língua e Literatura Japonesa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Nasceu em Pelotas (RS, Brasil), em 1973, e fez graduação e mestrado na Universidade de Hitotsubashi, em Tóquio, no Japão, onde viveu de 1994 a 2001. Defendeu, em 2016, tese de doutorado em Literatura Comparada sobre o “Livro de Travesseiro” de Sei Shônagon e sua adaptação para o cinema por Peter Greenaway. Atualmente, é vice-presidente da Associação Brasileira de Literatura Comparada. Em 2020, recebeu o Prêmio da Associação Gaúcha de Escritores e o Prêmio Açorianos de Literatura na categoria especial por seu livro “Cem poemas de cem poetas” (Bestiário, 2019).






Foto: Divulgação

Claudia Santana Martins

Mestre e doutora em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês e bacharel em Letras (Língua Francesa) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e pós-doutora em Estudos da Tradução pela mesma faculdade. Tradutora de francês e inglês em diversas áreas, com vasta experiência no mercado editorial. É autora do livro “Vilém Flusser: a tradução na sociedade pós-histórica”, publicado pela Editora Humanitas. Sob o heterônimo de Gomes Moor, publicou dois livros de sonetos — “Um Balde”, em parceria com Aguinaldo Anselmo e “Eugênio Barata” (Massao Ohno/Ricardo Redisch editores), e “Vidró”, em parceira com Aguinaldo Anselmo (Massao Ohno Editora). Contribuiu para o livro “Hápax”, lançado este ano pelo grupo Valami Lesz.






Foto: Divulgação

Emerson Cerdas

Emerson Cerdas nasceu em Jaú/SP, em 1985. É formado em Letras pela UNESP/Araraquara, e pela mesma universidade fez o mestrado e o doutorado em Estudos Literários, com estudos de Língua e Literatura Grega Antiga, com foco na obra de Xenofonte e nas relações entre ficção e história na Antiguidade. Atualmente, é pos-doutorando na USP/SP, com bolsa FAPESP, com um projeto de tradução das Helênicas de Xenofonte. É autor dos livros “A Ciropedia de Xenofonte: um romance de formação na Antiguidade” (2012, Ed. UNESP), “A História segundo Xenofonte: historiografia e usos do passado” (2017, Ed. UNESP) e “Introdução à Literatura Grega: de Homero ao romance grego” (2019, Ed. InterSaberes).






Inovação

Fomento à Leitura

Foto: Divulgação

Cleide Fernandes

Bacharel em Biblioteconomia pela UFMG, com aperfeiçoamento em Inovação, Gestão e Liderança para Bibliotecários, pelo CERLALC/Universidad EAFIT, Colômbia. Integra a Rede Internacional de Bibliotecários Líderes e Inovadores (INELI Iberoamérica). Atua como gestora de cultura na Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, na qual desenvolve, desde 2006, projetos de incentivo à leitura para crianças, jovens, pessoas com deficiência e comunidades socioeconomicamente vulneráveis. Atualmente, é responsável pelo Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais.






Foto: Divulgação

José Castilho

Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo - USP, professor na FCL UNESP/Araraquara, pesquisador, conferencista, escritor, editor e gestor público. Atualmente, é consultor na JCastilho – Gestão&Projetos – Livro-Leitura-Biblioteca (www.jcastilhoconsultoria.com.br). Dirigiu a Editora UNESP por 27 anos, a Biblioteca Pública Mário de Andrade (São Paulo) e foi secretário executivo do Plano Nacional do Livro e Leitura (MinC e MEC). Presidiu em vários mandatos a ABEU e a EULAC e é conselheiro e consultor de organismos nacionais e internacionais na área acadêmica, educacional e cultural. A lei 13.696/2018, que institui a Política Nacional de Leitura e Escrita, foi apelidada com seu nome, “Lei Castilho”, em reconhecimento à sua atuação em defesa do livro e da leitura.






Foto: Divulgação

Patricia Monteiro Lacerda

Psicóloga pela UFMG, mestre e doutora em Educação pela PUC-RJ. Atuou como assessora na área de Educação da Unesco. Professora de cursos de especialização e pesquisadora associada na PUC-RJ. Foi sócia da Innova Projetos e Pesquisas trabalhando para organismos internacionais, instâncias governamentais e institutos sociais privados por mais de 15 anos. Foi gerente de Educação, Arte e Cultura do Instituto C&A por nove anos, onde contribuiu para o desenvolvimento do programa Prazer em Ler que recebeu menção honrosa nos prêmios Viva Leitura 2009 e Retratos da Leitura 2017. Autora de artigos e estudos na área de políticas e práticas educacionais. Jurada de diversos prêmios nacionais como - Professor Nota 10, Prêmio Literário Biblioteca Nacional, Reconhecimento projeto Trilhas, dentre outros. Atualmente, dirige a Tesse Caminhos de Aprendizagem e apoia o Coletivo Delibera Brasil.






Livro Brasileiro Publicado no Exterior

Foto: Divulgação

Bernardo Jorge Israel Gurbanov

Atual presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL) e integrante do Conselho do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas da cidade de São Paulo 2020/21. Sócio-gerente da Editora Letraviva. Consultor e palestrante para o mercado editorial nacional e internacional. Bacharel pela Escola Superior de Comércio Carlos Pellegrini em Administração de Empresas e Psicologia pela Universidade de Buenos Aires. Foi membro do Colegiado do Livro, Leitura e Literatura do CNPC (Conselho Nacional de Políticas Culturais) – Ministério da Cultura (MINC) entre os anos 2012-2014/2015-2017 e integrante do Comitê Executivo do PNLL – Plano Nacional do Livro e da Leitura - Ministério da Cultura (MINC) e Ministério da Educação 2013-2015.






Foto: Divulgação

Gustavo Martins de Almeida

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Formado em Direito pela PUC-Rio, em 1981. Tem mestrado pela UGF e doutorado pela UVA, ambos na área do Direito. Atua na área Cível e de Direito Autoral. É advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Membro da Comissão de Direito Autoral da OAB-RJ e da OAB Federal e colunista do site Publishnews. Participou das Feiras do Livro do Rio de Janeiro, São Paulo, Nova Iorque, Paris, Londres, Abu Dhabi, Sharjah e Frankfurt. Assessorou o SNEL no Termo de Ajustamento de Conduta da Lei de Inclusão e impetrou o mandado de segurança que coibiu a censura na Bienal de 2019.






Foto: Divulgação

Miriam Pires Eustachio de Medeiros Vale

Professora da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) e do Ibmec-SP e coordenadora do Programa de Qualificação de Exportação (PEIEX-FECAP) nas regiões metropolitanas de São Paulo e São José dos Campos. Curadora do Acervo Histórico da FECAP e autora do livro “Administração – uma abordagem inovadora com desafios práticos”. Administradora pela FEA-USP, mestre e doutora pela EAESP-FGV, passou alguns períodos estudando em instituições de ensino na Europa e nos Estados Unidos.